11 de setembro de 2018

FLEXÍVEL


A flexibilidade é o máximo de rigidez eficaz que poderá ter no mundo de hoje em dia. Qualquer coisa acima ou abaixo disso irá te destruir - mesmo que momentaneamente.

Tão importante quanto querer, desejar e lutar pelo o que se quer; é aceitar, perceber e compreender que nem tudo gira ao nosso redor - e que o controle sobre nossa vida não passa de pouco mais de ilusão.

Com certeza todos nós já ouvimos o ditado sobre a água e a pedra. Qual dos dois perde com o tempo. Qual consegue ferir o outro.
A água, como tudo que é mutável nessa vida, é flexível, e com ela vem uma porção de ditados, comparações e filosofias de vida na qual não pretendo me aprofundar.

Quando entendemos de onde viemos, e para onde queremos ir. Quando entendemos que a vida é algo transitório. Que o mundo não muda quando algo acontece com você. Que a realidade é muito mais voltada a poucos metros ao seu redor do que todo o resto.
Começamos a compreender algum sentido na vida. Começamos a entender melhor como nos portar, como vislumbrar o desconhecido, qual é seu valor e das pessoas que te seguem nesse caminho.

Ser duro e rígido com seus pensamentos, com seus sentimentos, irá te quebrar por inteiro bem naquele momento que se sentir forte.
Ser frágil e sensível demais irá te levar para lugares que não quer ir. Se sentindo impotente quando a adversidade começar.

Ser flexível te dá uma visão aprimorada. Te faz enxergar além do óbvio, te faz caminhar com firmeza o suficiente para não cair com facilidade. Te faz levantar com a leveza que te impede de se machucar de verdade.

A inteligência emocional atribuída a isso é simples. E isso é o que falta em nós nos últimos tempos. Essa simplicidade libertadora, que faz com que enxerguemos algo além das necessidades ou expectativas pessoais.

Não é uma receita de sucesso. Não.
Não como muitos gostariam de pintar ou de vender por aí.
O sucesso disso, é ter a você mesmo - por completo - na direção da sua vida.

Embora isso não signifique um caminho melhor, pode significar uma caminhada mais agradável e adaptável - daí em diante, os problemas não parecerão tão ameaçadores assim.


- Vinicius Neves

28 de junho de 2018

CARLA


Selei meu destino pelos caminhos que usaram para que eu o evitasse
Como jogar uma concha ao mar e esquecer que ela retorna até nós na maré baixa - mas sempre pertencerá ao oceano

Se eu pudesse viver em qualquer outro momento da história, eu me manteria bem aqui. Porque aqui encontro os seus dias - e eles são lindos.
Se for para percorrer qualquer distância, correrei sempre para os seus braços.

Quero encher seus dias de flores, quero sentir teu abraço até que meu tempo nesse mundo termine.
Pensar em seu sorriso, me faz querer ser melhor do que jamais fui. Faz com que eu queira dedicar todas as minhas horas para você.
Te levar para todas as festas que eu for; te ver dançar com na rua com seu jeitinho único, debaixo do sol ou da chuva.

Quero te mostrar que tudo sempre poderá ser melhor enquanto estivermos juntos.

Se seguro suas mãos é porque não quero mais soltá-las.

Nas tempestades mais terríveis encontrarei teu beijo e a calmaria sempre irá reinar.
Nesse teu colo eu encontrei uma paz que nem sabia que seria possível alcançar.

As palavras estão sempre se misturando em minha cabeça, procurando se organizar para te trazer as coisas mais lindas desse mundo.
Eu não vou fingir que isso não está acontecendo, não vou evitar de te encontrar - porque só isso faz sentido agora.
Me perder para sempre no emaranhado de seus cabelos, na leveza de seu vestido, no perfume do seu pescoço.

As musicas mais bonitas agora fazem todo o sentido; é mais um sinal de que estou me perdendo cada vez mais dentro de seus olhos, para nunca mais voltar.


- Vinicius Neves

1 de maio de 2018

REINVENÇÃO


Resiliente, em silêncio tento calar as vozes de dentro.

Ruim? Não mais. As correntes e o controle exercidos sobre a persona que insiste em se debater nos porões de minh'alma agora tornam-se costumeiras, habituais.

A voz que despendia rumo aos ouvidos alheios e atentos à notificações de uma revolução programada já se acalanta no externo e no íntimo, buscando uma metamorfose que transforme mais um ciclo de reinvenções ininterruptas - como sempre foi, como sempre será.

Nada mais há de ser dito, nada mais há de ser compartilhado. Ao menos por hora.
Em momento oportuno essa casca se abrirá e com ela a inundação de uma nova forma anseia por vir. Sim, mais uma.

O que há de ser, não há mente nesse universo que possa dizer.
Independente do que for; será o que deverá ser, terá seu papel de maior importância no caminho que ela proporcionar acontecer, o degrau que se tornará com o passar do tempo para que o viagem finalmente tenha seu rumo revelado.


- Vinicius Neves

2 de abril de 2018

JÁ FAZ UM TEMPO



Já faz um tempo que esqueci o que é se sentir incompleto.
Como vagar pelos estreitos caminhos da sanidade e sempre me deparar com um beco sem saída.
Não sei mais o que é isso.

Já faz um tempo que encontrei a resposta para a maioria das perguntas que guardei a tanto custo dentro do peito.
Me encontrei face a face com um presente que soube instantaneamente que seria meu futuro.
Sim, eu o enxerguei. Enxergo até hoje quando mergulho em seus olhos.

É a loucura mais dentro de qualquer realidade que poderia encontrar. É a verdade mais pura entre todas as juras imaculadas.

Com ela ao meu lado, pouca coisa é muito. Mas muito sem ela não é nada.

É parceria forte, companheira, amizade.
É para ela que quero sempre contar e dividir as coisas boas, as experiências, os lugares novos.

Já faz um tempo que dominou minha mente, minha memória, meus anseios.
Tudo isso mantendo a sensação do primeiro dia. Minha eterna namorada. Perpetua novidade.
Já faz um tempo que nosso tempo só está começando.


 - Vinicius Neves

1 de março de 2018

O RETORNO


O brilho nos olhos voltou
Como o retorno de uma esperança, ou um milagre que sempre se esperou


Os sorrisos deixaram de ser exceção e se tornaram a regra de todos os dias
Transformando as coisas ruins em boas, transbordando alegrias

A imperfeição desapareceu e se tornou esquecimento
Virou lenda de dias passados, tão atrasado quanto correr atrás do vento

Prometi ao coração regalias que achava não poder cumprir
E alcancei um tesouro maior que os desejos que haviam para suprir

Seu valor não pode ser calculado
Sua importância não pode ser descrita
És meu sonho imaculado
Segredo das pausas que complementam cada rima.



- Vinicius Neves

19 de fevereiro de 2018

UMA POESIA PRA VOCÊ


Em uma mensagem antiga e quase perdida no tempo:
"- Filhão, quando é que você vai fazer um poesia pra mim?"

A minha poesia para você é eterna, é única; vai além de textos e imagens bonitas. Além de juras que podem ser revogadas mais cedo ou mais tarde.

A poesia que tenho para te entregar é minha vida, meu coração, meus filhos, meus netos, meus descendentes, meu legado, meu exemplo, minha audácia, meu caráter, minha integridade, meu amor, meu respeito - tudo aquilo que nasceu de ti e para ti.

Minha poesia para você já foi escrita um dia, hoje é vivida.

O texto permanece estático no papel, e, por vezes inalterado no peito depois de lido.
Veja como são as coisas: até tinha esquecido que havia um texto lindo dedicado só à sua importância.

O que é escrito muitas vezes passa despercebido. Mas sua existência, sua luta, seu sorriso - eu carrego pra sempre em minha alma; através dela tento fazer o meu universo algo mais parecido com a infinidade que me faz sentir.


- Vinicius Neves

17 de janeiro de 2018

O DESERTO DENTRO DA AMPULHETA



O tempo passa e com ele a certeza de que nos distanciamos cada vez mais de pessoas que são importantes em nossas vidas. As fotos registradas nos levam  a lugares muito distantes da realidade que vivemos hoje.
Somos obrigados a nos ver em fases melhores, piores, mais ou menos felizes.

Tudo aquilo que foi importante de verdade é registrado com um tipo de vassoura emocional - que à medida que o tempo passa - leva para longe as coisas ruins.
As más recordações, brigas, desafetos: tudo passa. Porque não existe uma "base" que as faça perpetuar.
É diferente com o amor. Ele permanece em cada foto de infância, cada aniversário surpresa ou cada brincadeira e viagem registrada.

Os amigos se vão. Talvez porque o caminho deles fosse outro. Talvez por não concordarmos mais em nossos pensamentos ou nossas falhas sobressaíssem ao bem que queríamos a eles.
Vamos sentindo a idade chegando e transformando nossas vidas, pensamento e até mesmo a saúde - por mais jovens que sejamos - o corpo já começa a responder certas situações de forma diferente.

Nos falta tempo para cuidar de nós mesmos, de nos atentar aos futuros problemas de saúde e às antigas coisas que nos faziam felizes.
Da época em que momentos eram mais importantes que "curtidas" e amigos eram melhores que seguidores.

Nos falta maturidade para sermos melhores, para rever antigos amigos, reatar relacionamentos passados, esquecer brigas estúpidas e entender que o "tempo bom" foi ontem, mas pode ser hoje, também!
Não somos tão descartáveis assim. Mas o mundo em que vivemos - esse nega até a si mesmo, quem dirá nossas aspirações!?


- Vinicius Neves

16 de janeiro de 2018

A DAMA DE FERRO


Ela abriu o peito e mostrou o que ali havia
Sentimentos escondidos, amor em demasia
Faltava cesto para que pudesse derramar seu conteúdo
Sentia um vazio em todo o resto embora nas costas houvesse o peso do mundo

Por onde passasse trazia paz e quietude
Mulher de palavra, de ousadia, de atitude
Parecia ser rodeada sol e temperança
Chamava atenção no horizonte até onde a vista alcança

Ela é a sanidade nos dias ruins, a realidade que se espera de todas as verdades
É porto seguro a qualquer hora, calmaria das tempestades

Ela por perto é a realização dos melhores desejos de uma vida plena
Ela longe faz parecer que nada mais vale a pena
É a dama que comanda minha história, e por quem lutarei todos os dias
É a dádiva concedida, soma de todas minhas alegrias.


- Vinicius Neves

1 de dezembro de 2017

SOMBRAS DO PASSADO


Quando olho para trás vejo um caminho manchado por escolhas ruins
Vejo como minhas expectativas me vendaram e minha confiança me esfaqueou pelas costas

Mesmo quando não vislumbrava grande futuro na experiência gerada dentro do tempo aparentemente perdido
Aos poucos amadurecia frutos que só colheria muito adiante
O caminho que ficou para trás se traz se tornou a sombra da direção que hoje sigo
A esperança e felicidade plena se tornaram protagonistas
De algo que vingou muito além do amor, se tornou minha maior conquista.


- Vinicius Neves

1 de novembro de 2017

PRECISO DE CHUVA


Preciso de chuva para lavar a alma, lavar as calçadas
Deitar no sofá, fechar os olhos e relaxar, sabendo que lá fora a chuva limpa as ruas
Esquecer de qualquer receio e me lavar nela também, como fazia quando era criança

Saudade de parar alguns minutos da minha vida só para sentir a chuva gelada me encharcar
Lembrar que depois dela vem sempre um bom banho quente e aquela sensação de que um peso saiu das costas, foi dissolvido pela chuva

"Você vai se molhar!" - e daí? Criamos algum tipo de pavor de molhar as roupas, molhar os cabelos, os sapatos. Nada disso irá durar para sempre, nada disso será seco para sempre.

Os trovões assustam e impressionam. Cortam os céus por quilômetros e fazem seus relâmpagos clarear os céus cinzentos.


- Vinicius Neves

16 de outubro de 2017

Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola: um raio de coragem no meio do politicamente correto.


Assisti nesse fim de semana o novo filme de Danilo Gentilli: Como se tornar o pior aluno da escola. Gosto do trabalho de Gentilli, li o seu livro, e admito que minhas expectativas estavam pequenas.
Porém, ao ver o reboliço de tantos jornais e jornalistas e críticas da galera que se vê como intelectual e arrojada - que depende arte apenas quando parte dela - não pude controlar a imensa curiosidade em assistir a esse filme que já conta com a melhor estréia de filme nacional de comédia.

O filme em si, é uma epopéia em si; traz elementos nostálgicos de filmes consagrados como Curtindo a Vida Adoidado, Clube dos Cinco, American Pie, e muitas outras. Há piadas nacionais, muitas participações especiais como o excelente Rogério Skylab - que faz um professor completamente aloprado, como sempre há de ter em nossa vida escolar.
Moacyr Franco então, faz uma atuação tão genuína que é dificil imaginar que emburrado faxineiro é um galã da jovem guarda na vida real.
Porém, de todas as participações especiais, Carlos Vilagrán, o Quico do programa Chaves - é um show à parte. Seu portunhol e atuação fazem com quem tiremos muitas risadas durante todo o filme, e apesar de ser o vilão, acaba sendo extremamente carismático. Um nome que precisa ser melhor aproveitado por nós, certamente.

Embora muitas críticas estejam falando mal do filme como se fosse o primeiro do gênero no mundo perfeito do politicamente correto, ressalto que não - não é uma novidade. Não é nada muito diferente de filme americanos que assistimos à exaustão como American Pie, Sexy Drive, Todo Mundo em Pânico, e até mesmo Jackass. O filme tem um ar de Sessão da Tarde, com aqueles filmes leves e engraçados sem muita pretensão. Gentilli acertou em cheio isso. Estávamos com saudade desse tipo de obra, e no Brasil paraece que virou crime fazer algo assim. Os apreciadores da "boa arte" vão crucificar, falar que o filme tem que ser censurado, vão tentar banir o filme, fazer campanha contra. Afinal de contas, é muito melhor ver um velhote peladão brincando "marco-polo" com crianças em um museu qualquer dominado por essas pessoas "de bom gosto".

Devo dizer que o filme me trouxe grandes lembranças, e fizeram com que eu simplesmente gargalhasse no cinema. Chorei de tanto rir. Lembrei da minha época de escola, de como eu e meus amigos aprontávamos, e a guerra que era a coordenadora tentar provar que eu era o responsável por aquilo. Foi uma época mágica.

Porém, há uma mensagem no filme que passa quase que despercebido: o nosso sistema de ensino é muito, muito, muito falho. Ele tenta limitar as capacitações dos alunos por um média que inexiste na vida real. Nota 7 em química, algebra, gramática, física, biologia e etc são o que o mundo te pede? É aquilo que vai te capacitar para um bom emprego? É isso que vai te diferenciar no mercado de trabalho? Ou será que a criatividade, ousadia, empenho contam mais?
Também é falado sobre bullyng no filme. Muito dirão que é apologia, que é um incentivo descarado. Acredito que as escolas, educadores e pais deveriam estar muito mais preocupados a ensinar seus alunos/filhos a lidarem com isso do que achar que reprimindo isso irá ajudar em algo. Não irá. Bullyng não acaba só porque vocês querem que acabe. Tentar proteger de algo tão trivial como isso só faz com que esses aspirantes à adultos se tornem frágeis, manipuláveis, e completamente despreparados para o mundo. Quando for a hora de sair do colégio, terão que enfrentar de frente os problemas que a vida irá trazer, e ninguém mais poderá fazer isso além deles mesmos.

O mundo não dá a mínima se seu filho é sensível.
.
Felizmente faço parte da turma do fundão que venceu na vida. E posso garantir que a galera que fazia parte disso comigo também está muito bem de vida. Por mais que a vida tenha dado um caminho diferente a nós, tenho orgulho do tempo que passei com eles e do que eles se tornaram hoje.

Como se tornar o pior aluno da escola é um filme corajoso, de uma forma que muitos outros nomes de nosso cinema deveriam se inspirar. É humor "pastelão", é filme de besteirol, é um dos melhores filmes do ano.
Quem for não vai se arrepender.


- Vinicius Neves

18 de setembro de 2017

O repúdio da mídia brasileira para com o filme: Policia Federal - A lei é para todos


NÃO É DE SE ESTRANHAR que um filme como "Polícia Federal - A lei é para todos" está com tão pouco espaço nas mídias brasileiras.
Não vejo "chamadas" nos sites, não vejo críticas, só encontrei uma ou outra notícia porque tive que pesquisar no Google.

Dentre vários fatores lógicos e já conhecidos, demonstra como a mídia tende sim à política e políticos da esquerda; todo aquele papo furado de "Globo golpista", "mídia parcial (à favor da direita)" e tudo o mais cai completamente por terra.

Imagino que muitos irão lembrar da repercussão que foi o filme contando a "estória" de Lula. Em toda mídia era notícia, a Globo mesmo passa o filme quase que como uma ritual anual. Tal como "paixão de Cristo" no Natal.

Sabem o porque disso tudo? Porque essas mídias e representantes das mesmas nunca lucraram tanto na história de suas empresas como nos 13 anos de governo Lula e Dilma. Todo o conluio para que o poder se mantivesse entre as mesmas pessoas, beneficiando as mesmas administrações, os mesmos nomes da comunicação, os bancos, e tantos outros personagens poderosos que se escondem por trás de famosos logotipo.

O fato do filme ser tão pouco mencionado entre grandes veículos midiáticos só ilustra mais como a operação Lava-Jato e o filme demonstram claramente que poder desses governos foi alcançado e mantido usando todos os recursos possíveis: comprando gente poderosa de todas as esferas.
E não se engane: outros partidos como PMDB, PSDB, DEM, PSoL e tantos outros também fizeram e fazem parte disso até os dias de hoje. Mas o intermédio dos famosos nomes do Partido dos Trabalhadores já não podem mais garantir a eficácia dos grandes esquemões.

Acha mesmo que as grandes mídias ficariam de fora dessa?
 
 
- Vinicius Neves

11 de setembro de 2017

Crítica: Policia Federal - A lei é para todos.


Na última semana foi a estreia do filme "Policia Federal - a lei é para todos". Título clichê. Apresentação mais ou menos. Cartaz sem criatividade. Divulgação praticamente inexistente.

Ao me deparar com o filme em si, vi um enredo comum do dia a dia de uma força policial como se vê em qualquer programéco em algum canal pago. O dia a dia com casos a serem solucionados, os sentimentos, as interações, e a busca por um criminoso: Alberto Youssef - um doleiro já conhecido por seu envolvimento no famoso esquema do Banestado, responsável pela envio ilegal de 19 bilhões de dólares para fora do país.
Esquema esse que tivera entre os indiciados nomes como Gustavo Franco (presidente do Banco Central no governo de Fernando Henrique Cardoso [PSDB]), ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta (PT) (falecido) e mesmo Samuel Klein - até então dono das Casas Bahia (também já falecido).

A empreitada em busca de um esquema de doleiros - estes, que negociam dólares americanos no mercado paralelo, sem as devidas taxações e burocracias do governo, agora sendo cruzado com um esquema de tráfico de drogas. Não se preocupem, isso não é bem um spoiler. Está no trailer.

Resumindo a ópera, quanto mais a força tarefa da Policia Federal foi puxando a linha do dinheiro, mais nomes iam aparecendo. Nomes influentes de empresários como Marcelo Odebrecht. Doleiros. Traficantes. Juízes. E.... políticos. Como não podia deixar de ser.
Todo o esquema de lavagem de dinheiro que envolvia inclusive postos de gasolina não poderia levar outro nome senão "Operação Lava Jato".
Aí é que a coisa fica interessante: com o tempo, paciência e expertise que somente profissionais bem treinados como os da PF poderiam ser, logo chegam a nomes de grande poder em atuação na política. O que nos leva ao Partido dos Trabalhadores (PT) e ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).

O filme é, de forma técnica, bem feito. Boa fotografia, bom enquadramento, diálogos bem equilibrados com inicio, meio e fim. A direção não é algo completamente inovador - e isso é ótimo. Porque a importância de um filmes como esse estão nas informações, sem se tornar maçante.

Agora, de forma prática, pessoal, política, esse filme é o mais corajoso que já deu as caras em nosso país. O roteiro conta de forma clara (e obviamente, resumida) como a investigação chegou a nomes como Luís Inácio "Lula" da Silva e Dilma Rousseff.
Mostra como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MTST) são utilizados como massa de manobra - influenciado por seus líderes, muito bem pagos por Lula.
Mostra como as pessoas comuns que seguem os partidos de esquerda são manipulados, demonstra claramente a manipulação da mídia para deturpar a operação - fazendo parecer uma perseguição política. Está lá. Preto no branco. Explicado e mastigado a quem quiser entender.
Explica até como o Supremo Tribunal Federal (STF) é quem libera vários processos contra pessoas que tem foro privilegiado como senadores e outro políticos envolvidos. E como foi isso que aconteceu no caso no Banestado.

Pude vivenciar os dois lados das manifestações de 2013 para cá e desde então tenho lido muito a respeito de todo e qualquer tipo de notícia que tenha a ver com o que se sucedeu dali em diante. O filme narra a verdade de forma primorosa e como eu disse: extremamente corajosa. Narra eventos, nomes, partidos, organizações. Sem medo de represálias. Sem medo de serem atacados. Sem medo da feroz violência que tem sido arremetida toda a questão política de nosso país - que para ser completamente honesto, não está do nosso lado. Não está do lado das pessoas comuns. Não importa o político, o partido, a sigla, a organização, o sindicato, a alcunha, o dinheiro, a profissão, a popularidade. Crime é crime. E todo crime carece de sua devida punição.


- Vinicius Neves

1 de agosto de 2017

SOBRE PESSOAS E PERSONAS


Até onde vai o ego do ser humano?
Não foquemos em questão externas, em personalidades que conhecemos apenas pelas manchetes dos jornais ou por feitos que enxergamos apenas pela pouca informação que conseguimos acessar - longe dos bastidores. Falemos de nós mesmos.
Falemos de como se esconder em palavras vazias, repetidas e ideológicas - que muitas vezes não deram certo na história da humanidade se tornam mais que um escudo para ocultar a ignorância política, intelectual e econômica. Por vezes, mesmo quando estes sabem que estão errados ou equivocados, não sabem assumir suas falhas, e insistem em apoiar os erros ou desviar a atenção dos fatos - motivo pelo qual estamos passando por boa parte dos problemas atuais.
Não há problema em mudar de opinião. Não há vergonha em aprender mais do que achávamos que sabíamos.
O que preocupa é a última geração que se levantou (da qual também fiz parte durante algum tempo). Doutrinadas por livros de cunho parcial nas escolas, por pessoas igualmente doutrinadas, ensinadas a não pensar por conta própria, mas a seguir à risca uma utopia sem fundamentos sólidos.
Preocupa o exemplo que essas pessoas querem dar para as próximas gerações: o linguajar, as atitudes - que vão de compartilhar desinformação generalizada a defender o crime com sua parcialidade.
Desculpas para isso não faltam. A cada passo que as pessoas de pensamentos diferenciados das dela dão, as desculpas mudam. Se a desculpa é refutada, é dada outra; e assim por diante. Os que estão na mesma situação ovacionam a situação, criam termos de cunho taxativo, usam argumentum ad-hominem para desqualificar uma verdade.

É um show de horrores.
Me pergunto se em países em que a situação já foi parecida com isso, mas que chegaram a níveis extremos (como é o caso Venezuela); se as pessoas que eram assim permanecem assim. Sempre existirá essa arrogância em querer ser superior a tudo e a todos, inclusive na ignorância. Um ser supremo que nunca assume sua fragilidade, falta de informação sobre algo. Para esses tipos, não importa a patente, grau de escolaridade, transparência e comprovação dos fatos; o que ele acredita é que é o certo.
Infelizmente a autocrítica é algo que só funciona para que os “outros” usem. A busca de conhecimento é apenas uma jornada que os “outros” deveriam fazer. Porque nesse meio a qual me refiro, está tudo certo e alinhado como nunca - só melhora se não houver ninguém pra discordar.

Quando há dúvidas sobre esse tipo de personagem e de suas personas destacadas nos meios sociais - sejam virtuais ou não; é sempre bom lembrar que “A boa árvore se conhece pelos frutos”.
Se a pessoa não está dando frutos - ou pior: não está dando bons frutos - no mínimo, desconfie. O discurso pode ser bonito, as palavras enfeitadas, as atitudes parecerem reais; mas quando damos um passo para trás a fim de enxergar a pessoa como um “todo”, o que será que enxergaremos na vida dela? Talvez a diferença que mude o mundo. Talvez o mundo que mudou sua “diferença”.


- Vinicius Neves

21 de julho de 2017

Chester Bennington - Da depressão ao Linkin Park. Do Linkin Park à depressão.


Mais um para a lista em que a depressão, os problemas, os traumas, o mundo faz com que haja a desistência e a solução mais rápida é tomada.

Ontem li a notícia em que todos estão prestando atenção: Chester Bennington, vocalista do Linkin Park é encontrado morto, possivelmente suicídio causado por enforcamento.
O artista já tinha revelado pensar no suicídio pelos seus traumas (fora abusado quando criança) e seus problemas com drogas e álcool.

Já se perguntou o porque a incidência de suicídios é tão grande entre músicos - sobretudo seus vocalistas? Podemos pensar em muitas respostas para isso, mas certamente a maioria vai deixar lacunas vazias. Iremos começar a traçar um motivo à partir de seus resultados e não de suas causas primárias.
Particularmente, por ter tido minhas próprias experiências com depressão e tantos outros problemas no decorrer de meus quase trinta anos de idade, compreendo que uma pessoa com problemas em sua infância tende a se afundar mais em coisas que não prestam como crime, drogas, álcool, remédios e qualquer outro vício autodestrutivo.
Invariavelmente no meio dessa lama toda algo surge de bom: um artista.

Fazer música é um excelente método de colocar as ideias em ordem quando dentro de sua cabeça as vozes gritam tanto quanto gritava a voz de Chester.

O tempo passa e alguns desses guerreiros se tornam famosos. Encontram um pouco de conforto no reconhecimento, no dinheiro, no luxo. Mas isso nunca é o suficiente. O buraco a ser tapado dentro deles não pode ser preenchido por bens materiais.
Se não houver consciência plena de seus problemas, se não houver acompanhamento de familiares, amigos, se não houver tratamento e a força de trocar as escapatórias fáceis (como qualquer tipo de excessos) por coisas que nos façam bem; então dificilmente o fim da história será diferente.

Não vou mentir: cada vez que vejo um cara como Chester fraquejar e desistir para a depressão, a sombra que nos persegue parece que fica maior, mais nítida. Sim, bate um medo de eu chegar nesse ponto também.
Não vou citar tantos outros artistas que fizeram parte de nossas vidas - sobretudo nossa adolescência - e que se foram para sempre pelos males decorrentes da depressão.

Mas temos que ser fortes e seguir em frente. Todos os vivos já pensaram alguma vez em suas mortes, em aliviar o peso de algo que os estavam matando por dentro em algum momento.
Porém, todos temos escolhas - mesmo que tenhamos dificuldades em enxergá-las. Somos a evolução de nós mesmos todos os dias, sobrepondo os problemas e as derrotas que a vida nos apresenta.
Somos maiores e melhores de uma forma que só depois de tudo podemos olhar para trás e vermos o quão plena e ilimitada é nossa força. Hoje somos uma versão melhorada de nós mesmos do passado, e seremos melhores ainda nos próximos quilômetros de nossos caminhos.

Talvez esse seja o primeiro passo para nos encontrarmos de verdade: precisamos continuar acreditando nisso e mostrar que podemos quebrar o hábito de sermos tão frágeis.


- Vinicius Neves