30 de abril de 2008

O PESO DO MEU SANGUE



Além do meu gênio, do meu jeito de ser,
Além da morte e da vida, do morrer e do viver,
Além de meu sangue, minha alma, minhas dores, minhas mágoas,
Esconde-se uma pessoa indecisa.
Que vive cada dia, como uma cena repetida,
Um simples pedaço de papel,
Que voa sem destino pelos ares do céu,
Um rio que não sabe encontrar
Uma estrada para chegar ao mar,
Um pequeno beija-flor,
Que beija muitas flores, mas às vezes, sem amor.
Quem sou? Ainda não sei.
Mas um dia eu descobrirei.
Qual o significado de minha existência,
Sem choro, sem receio, sem medo da penitência.






- Vinicius Neves
Postar um comentário