22 de outubro de 2009

MONGE URBANO



Eu era repleto de impaciência.
Transformei minha impaciência em tranqüilidade; pois o que é para ser meu, sei que há de vir no tempo certo.
Eu tinha ódio no meu coração.
Transformei meu ódio em interesse; em entender o próximo como igual, pois mesmo que não percebamos, somo um só.
Eu respirava incerteza.
Transformei minha incerteza em vontade; de abraçar oportunidades.
Eu absorvia descrença.
Transformei minha descrença em ; pois tudo pode acontecer a quem nunca desiste do que é certo, o impossível é só uma barreira criada pelos homens.
Eu demonstrava descuido.
Transformei meu descuido em respeito; pelos meus sentimentos e das pessoas ao meu redor.
Eu transbordava indiferença.
Transformei minha indiferença em esmero; em cuidar de cada vida como algo único.
Eu sentia medo.
Transformei meu medo em ousadia; pois nem sempre se pode ter coragem, mas a vontade de lutar pelo o que se acredita é o melhor combustível para as maiores virtudes.
Eu sofria de tristeza.
Transformei minha tristeza em esperança; porque o choro pode durar uma noite inteira, mas a alegria vem pela manhã.
Eu me mantinha sedentário.
Transformei meu sedentarismo em esforço; para mudar todo o meu ser. Fazendo de meu corpo, alma e espírito um só. Sem limitações.
Eu era prisioneiro do estresse.
Transformei meu estresse em bom humor; porque o humor é como uma doença: é contagiante. E eu é que não vou propagar o mal.
Eu tinha pobreza espiritual.
Transformei minha pobreza espiritual em trabalho espiritual; pois é o único jeito de se enriquecer nesse patamar.
Eu me prendia ao egoísmo.
Transformei meu egoísmo em amor; a tudo que não envolve o pequeno metro quadrado a qual se resume minha existência.
Eu era cego por opção.
Transformei minha cegueira em observação; do ser que envolve o tudo e o todo.
Eu me afogava em preocupações.
Transformei minha preocupação em inspiração; pois posso não mudar o mundo, mas posso transformar o meu mundo em algo belo e assim mudar o mundo de muitas outras pessoas.
Eu era a ignorância.
Transformei minha ignorância em entendimento; que estou aqui de passagem. Ser ruim para os outros não melhorará a minha viagem.
Porque o que cria o amor é o próprio amor.
E o resto é bobagem.



- Vinicius Neves

17 comentários:

Rapha disse...

transformar ignorancia em entendimento muito profundo belo texto.

Van disse...

Está ótimo, sensacional, faço de suas palavras minhas metas. :)

KaH disse...

Texto muito interesante, lendo oq ue você escreveu, lembrei de uma passagem do livro que estou lendo atualmente. Falava sobre a morte de um homem. Tudo bem, você pode até não entender agora, mas eu vou citar uma parte do texto.
"..viveu momentos incriveis, chorou, amou, se encantou, perdeu, conquistou.." - O vendedor de sonhos - O chamado.
Viver é muito bom, ainda mais quando temos a consciencia que seremos lembrados por nossos atos aqui na Terra. O importante é o que deixaremos na lembrança das pessoas. Errar é normal, corrigir os erros é uma atitude digna de ser admirada.

Belo texto.

Hannah disse...

O que cria o amor é o próprio amor! \o/
Gostei muuito do texto, apesar de ter ficado assustada quando entrei no blog e pensei se tratar de coisas ruins... =)
parabéns!
beijinhos

Nova Quahog disse...

É...O RESTO É IGNORANCIA TBM!

Grαvidez nα αdolescênciα (Mαg) disse...

"Porque o que cria amor, é o próprio amor.
E o resto é bobagem."
Cara adoreeei o texto,o blog,tudo!
Está de parabéns mesmoooo!

Blogueira disse...

Somos tão impacientes em certas situações.
Tudo na vida se transforma, se modifica, porque aprendizagem é mudança de comportamento.

André Prutki disse...

"""Porque o que cria amor, é o próprio amor.
E o resto é bobagem."""


muito loko o Textooo .... Gostei

Rah disse...

O amor, sempre o amor... As melhores lições é ele quem dá. :)
Muito bom Vi. Gostei muito.

Caio Coletti disse...

Texto bem planeja, bem escrito, que tem um ponto bem definido. Mas se me permite uma observação (não uma crítica, veja bem), quem ou o que você criou aí é uma utopia. Não é humanamente possível ser tudo isso o que você disse, ser tão harmonioso com o mundo em sua volta. Nós somos fundamentalmente falhos, diferentes de tudo isso o que você disse aí. Tentar ser mais do que simples mortais é lutar contra nossa própria natueeza.

Mas vejo como seu texto instiga as pessoas a pensar, a refletir sobre as atitudes que elas tomam em relação ao mundo a sua volta, vejo a forma como você induz, ao menos, a um sentimento e um raciocínio. Isso é raro, e isso é arte. Parabéns.

Abraços.

P.S.: Posso publicar seu texto no meu blog, ele meio que herdou a proposta do O Conto do Galo, não sei se você se lembra. O link é http://o-anagrama.blogspot.com/.

Ariane F. disse...

"Levantei...e Aplaudi!!!"

Parabens Viny
seus textos são sempre perfeitos... e vc anda se superando...rs

Bjooo
Ari

Cintia Carvalho disse...

Oi Vinicius!

Me chamo Cintia e cheguei até vc por intermédio do Caio Coletti, do blog "Anagrama". Li seu texto lá e adorei.

Hj como to com tempo, entrei com calma para ler seus escritos.

Meu jovem, vc escreve tão bem, que chego a ficar tocada com suas palavras e seus temas. Textos belíssimos, profundos que nos fazem pensar e refletir sobre a vida.

O mais interessante vc é tão jovem e tem um talento natural. E uma visão da vida, muito bonita, pois seus textos trazem uma mensagem positiva sobre a vida. Ao longo deles, o que percebi é que suas reflexões tentam nos mostrar que apesar de algumas dores, dificuldades, tristezas, frustrações e tormentos, o lado bom das coisas tem de prevalecer. Seu último texto trata exatamente deste assunto.

E olha isso é muito bom. Se não tivermos esse cuidado, ao longo dos anos vamos nos contaminando e nos tornando pessoas amargas, duras e o pior sem sonhos.

Realmente lindos seus textos e daqui para frente sempre passarei aqui para lê-los com todo carinho e atenção.

Um abraço.

JacK B. disse...

Para meu caro amigo Caio Coletti.

Não tenho o costume de responder por aqui os comentários, mas neste caso, preciso fazer questão, porque não é meu costume também apagar comentários, e para que outros não pensem que eu não soube o que responder de acordo com o pensamento de meu amigo e marketeiro particular, lá vai meu pensamento a respeito de seu pensamento:
O homem pode sim mudar a situação do mundo ao seu redor se houver esforço e um coração aberto a tudo que há de bom, a janela no amor aberta, e o tapete do ódio retirado. Se não o fosse, não teria existido Jesus Cristo, Gandhi, e tantos outros que fizeram (ou não) história. Assim como no mundo está cheio de Hitlers, Mussolinis e Husseins; que foram totalmente contra tal pensamento libertador, e acabaram se entregando as amarras do poder e do ódio.
Claro que temos nossas falhas, porém, só pensar nelas não nos fará mudar; o importante é mover-se para revolucionar a si mesmo. Se tais homens como eu disse tivessem pensado dessa forma, provavelmente o mundo já teria acabado ou não poderíamos mais saber o que é esperança e o tão sonhado amor.

Instigar alguem a pensar é fácil Caio, todos os dias no noticiário, nas escolas, nos relacionamentos, nós pensamos "que coisa horrivel", "que coisa linda", "que coisa chata". Dificil é fazer alguem SENTIR. Alguem poder ver o outro lado da vida e se sentir na pele da pessoa; sentir antes nas ações que não afetam só a ignorancia de si mesmo, e sim a todos ao seu redor. Não quero ser Deus, nem um anjo de paz; sei muito bem que sou cheio de falhas, muitas vezes me pego estressado, triste, e etc; mas nem por isso vou fazer o possível para que a minha realidade seja mudada para ser um MONGE URBANO.
Porque como diria o conceito do nome da banda "Rolling Stones", Pedra que rola não cria musgo.

;)

Anônimo disse...

Amor é a força que move o mundo... tanta gente já disse isso, mas ainda soa original e é nisso que acredito... valeu!

Vinicius disse...

Fala Neves, aqui é o Barbati.
Não sabia que você tinha um blog e tampouco que escrevia nele...
Bom texto esse do Monge, bem montado, a linha de raciocínio em cada estrofe, parabens velho!
Agora uma observação crítica e espero não parecer muito fdp, mas você não acha toda essa transformação "meio impossível"? Tudo bem, se refere a um monge, mas que nem por isso deixa de ser humano, e como todo ser da espécie tem dificuldades. Eu sei que agente tende a se apegar aquilo que nos da esperança, força, não sei porque exatamente, talvez por um temor inconsciente coletivo do mundo, mas não há como negar que isso é uma tendência humana e a maior prova disso são as religiões com seus livros sagrados repletos de mensagens positivas mas, creio que elas se distanciam muito da realidade prática se é que existe uma realida verdadeira, sei lá cara, acho que toda essa visão transcendente nos distancia da reflexão e do que agente sente de fato.
Enfim, acho que eu viajei um pouco na filosofia, mas é isso ai.
Flw velho

JacK B. disse...

Aew Barbati! Kra, faço novamente minhas palavras o comentário que deixei para o Sr. Cario Coletti. Logo acima. Vale a pena ver. ;)

Abraços!

Mr Deep disse...

Admniravel e lição de vida é!
Pensar em sermos "um", além de tudo escrito, isto é crecimento, amadurecimento e senso de vida!

Agradeço o previlégio de poder ler isto que tu ecreves!

Gde abraço, Mr Deep.