23 de julho de 2010

INTERIORMENTE


Eu já fui um qualquer
Eu já fui alguém especial
Eu já fui o príncipe encantado
Eu já fui o lobo-mal
Em toda noite, quando repouso minha cabeça no travesseiro
Pergunto a mim mesmo se fui mais um, ou se sempre serei o primeiro
Não me recordo se em minha infância eu era assim:
Uma pessoa diferente; que ninguém entende a mim
Já cansei de viver, já cansei de ver, já cansei de saber;
Tenho um gênio pitoresco, impossível de compreender
Em meus antigos relacionamentos cansei de ouvir isso
Momentos de rosas e lágrimas, outros de lírios e risos
Ao destino e ao dono da vida, já cansei de perguntar
Se por entre essas ruas da solidão o amor me encontrará
Ao invés de mais uma vez me deparar com a realidade nua e crua
Prefiro me embebedar de estrelas ao som sereno da lua
Se a verdade é triste, triste também é a verdade
Quando me deparo no espelho e vejo olhos úmidos de saudade
Embora o mundo me implore isso, nunca sucumbirei a tentação:
Deixar o sentimento de lado e esquecer o coração.


- Vinicius Neves
Postar um comentário