6 de janeiro de 2012

QUEBRANDO O HÁBITO


Por muito tempo procurei as respostas para me livrar de todo meu "eu" que guardo no porão de minha alma.
Experimentei de tudo e de muitos para me livrar da camisa de força a qual estava fadado a me sujeitar, trazendo comigo todas as loucuras de uma mente atormentada pela dor, solidão, traumas e desespero.
Conforme o tempo foi passando, fui descobrindo certos atalhos para tirar pedaço a pedaço tudo de ruim que havia dentro de mim.
Admito que fiz muitas coisas ruins; fui um péssimo exemplo de pessoa. Feri pessoas que amei, me envenenei com todo tipo de sujeira, maltratei muitas pessoas, destruí muitas coisas que não eram minhas, manipulei muitas mentes para meu próprio benefício.
Havia em mim um outro "eu" que não conseguia esconder. Ele apareceu primeiramente como uma máscara para esconder todo sofrimento que desde muito cedo passei, usei por tanto tempo essa máscara que ela acabou se tornando minha face mais conhecida.
Eu chamei essa máscara de Jack. E o Jack era todo o inverso que eu era: forte, inteligente, sagaz, vingativo, socializado, chamava a atenção das pessoas, era admirado, era desejado.
Durante muitos anos o Jack se apoderou de meus pensamentos e controlou minha vida, mas ele não tinha limites. O ego dele era inflado demais para se importar com outras pessoas, era individualista demais para se permitir ter sentimentos familiares, era desapegado demais para entender e sentir amor.
Eu gritava de dentro de minha alma, pedindo para o Jack ir embora, mas o Jack era muito mais forte que eu; e ele ria às minhas custas por saber disso.
Com o tempo fui permitindo que Deus me moldasse em outra forma para me livrar do antigo vaso que tinha se tornado minha vida, aprendi sobre os sentimentos mais importantes e bons com pessoas que se tornaram importantíssimas e de valor inestimável.
E para concretizar toda essa transformação, hoje aprendi e descobri as belezas de se quebrar antigos hábitos que faziam eu ser o que era.
Novos hábitos melhores apareceram, à partir de minha força de vontade e na observação das coisas verdadeiramente importantes.
Antigos hábitos bons e excluídos voltaram de forma evoluída, para trazer a outros aquilo que descobri em mim mesmo.
Mas algo que realmente fez a minha camisa de força ser colocada no cabide foi quebrar o hábito daquilo que eu não quero mais para minha vida.


- Vinicius Neves
Postar um comentário