8 de agosto de 2012

MAIS UM DIA


Por todas as vezes que fiquei preso
Por todas as vezes que sai ileso
Na maioria dos dias a inspiração insiste em não me contemplar
Mais um azarado apostando em números para sortear

Alma que se acorrenta e se desprende
Crê na mesmice e se surpreende
Ser intenso que não busca se esconder
Desencadeia uma série de esconderijos em seu ser

Não há nada de novo em baixo do sol
Muito menos em cima de meu lençol
Não há nada de novo em cima de minha cabeça
Mas por dentro repete-se a palavra "esqueça"

Esquecer de tudo, do mundo, dos furtos
Esquecer um pouco a cidade, a idade, a maldade

O cansaço que vem assolar todos os dias quando acordo
Não importando se estou com a cabeça nas nuvens ou os pés em firme solo

São férias que minha alma precisa, me esconder um pouco dessa vaidade
De achar que sou dono da minha vida, que tenho controle sobre as coisas, me afastar das pessoas dessa cidade
Cada uma delas me envenena forte e contamina todas minhas veias com depressão
Mas o antídoto de meu espirito vem em maior quantidade para compensar essa vazão
Aprendiz da vida como um curumim, cheio da graça pela fé como um querubim
Deus, me dai forças mais esse dia, e não deixe de olhar por mim.


- Vinicius Neves
Postar um comentário