2 de abril de 2013

ECDEMOMANIA


Vamos sumir
Encontrar na estrada a saciedade em fugir
Perambular pelo mundo procurando deleitar a alma no universo
Desvirar o ego, jogar fora a preocupação para se jogar no incerto

O primeiro passo é difícil, mas entender que um de cada vez é necessário
Com os galhos e pedras no caminho eu faço um rosário
Rosa dos ventos que trazem os ventos das rosas
A linguagem da poesia no olhar, a língua que conversa em prosa

O fim de tarde vermelho que traz o vento da noite clara
O nascer do dia revigorante que afugenta tudo o que me abala
Como um nômade qualquer, como um desbravador de terras
Um escravo foragido do quilombo que soltou suas aferras

Aonde estiverem a planta de meus pés, será minha nação
Viajar para nosso destino desorientados, sem rumo, sem direção.


- Vinicius Neves
Postar um comentário