7 de setembro de 2014

AS BRUMAS DO CAMINHO


"Seu Vinicius, Seu Vinicius, lê um sonho pra mim!"

Moleque animado, te vi de longe;
Te vi apanhando na cara por falar do que tinha sonhado
Te vi sorrir, te vi chorar, te vi fazer tudo isso calado

Te vi chorando no canto da sala sem ninguém te entender
Do que é virar adulto cedo demais sem ninguém perceber

Desde pequeno quis ser um super-herói e fez disso sua meta
Se perdeu do meio do caminho, mas depois se achou
Os que viram ficaram de boca aberta
As menininhas do bairro não sabiam o que se passava com você
Acordando todo dia para guerra consigo mesmo; pois crescer é difícil sem se compreender

Cachaça e droga? Isso não é resposta
Dura só uma noite, e a alma ainda fica mais pesada e exposta
Cada um com seus vícios, seja ele agulha ou fast food
Sorrindo como a Xuxa ou mal humorado como Clint Eastwood

Joga fora essas mágoas que isso não te faz bem
Não põe o nome do Senhor depois do Amém
Não confunde as coisas, faz a tua parte
Se não tem o que fazer com o tempo, faça arte

Como vou te contar um sonho?
Um sonho tem tantos formatos e tantos tamanhos
Não tem destino que mande numa mente bem descansada
Porque ela se alimenta de tudo ao mesmo tempo que se alimenta de nada

Não tem como explicar e não tem o que entender
Só se explica o que se tem pra informar
E só se entende quando se oferece algo pra perder
Então abre os olhos pros teus caminhos, e vive sem se arrepender.


- Vinicius Neves
Postar um comentário