30 de julho de 2015

O POETA NÃO MORREU


Sou a mistura das gerações que vieram e das que ainda virão
Uma miscelânea da esperança, sensações e sonhos que se dão
Dos amores imaginados, sentimentos de mudança e temores
Compartilhados entre personas de mim mesmo e amáveis leitores

Sou o romantismo de Moraes
A junção quase perfeita de pensamentos desiguais
Talvez um pouco menos que espera um pouco mais

Sou a melancolia de Cazuza
Que somados a uma extravagância poética não impede que a seduza
No meio de tantos meios permissivos e restritos, de cada limite abusa

Sou a loucura de Raul
Sou a a tristeza de Cartola
Vou e guardo a maior parte dessas no fundo do baú
No mar de todos os problemas que existem, estas são apenas uma marola

Sou a profundidade de Humberto
Sou o positividade de Chorão
Com a mente escancarada e o peito aberto
Mantendo a fé nas pessoas, e boas atitudes como religião

Acima de tudo isso sou Vinicius e sou Neves
A transcendência que transcede
Lutando contra um mar de ódio, mergulhando em outro de amor
Para depois passar da caneta ao papel o sentimento do autor.


- Vinicius Neves
Postar um comentário