2 de fevereiro de 2016

HORIZONTE DE EVENTOS



Amar é liberdade, é ser liberto.

É ser dono mais ainda de si e de tudo o que sente e ser menos dono da pessoa amada, mas ainda sim pertencer um ao outro integralmente.

É uma narração contraditória, mas também é uma história que se completa.
São duas versões da mesma história, duas histórias da mesma versão.

É diversão, imersão, imensidão, isenção, mas nem sempre tem adjetivo que termina em "ão". Às vezes termina com carinho, agarradinho, beicinho e até mesmo sozinho - porque é flexível.

Amar é constante, mesmo nas inconstâncias. É lutar mesmo sem ter forças. É acreditar mesmo sem motivos.

Tudo isso sem nem precisar estar perto - porque já são próximos o suficiente. É incrível se encontrar mesmo quando tudo parece perdido e todo caminho parece levar a lugar nenhum.
É uma maravilha da localização, uma entrega sem frete, uma obra-prima da logística.

O pensamento permanece juntinho na pessoa como a ideia de um inventor, a utopia de um filósofo ou a melodia de um músico.
No amor todo mundo é poeta. Não importa se isso é demonstrado com palavras rabiscadas num caderno ou transcrito nas páginas da vida durante o dia-a-dia.

Continua sendo poesia.


- Vinicius Neves
Postar um comentário