6 de agosto de 2016

O VÓRTICE DO TEMPO


O quintal parecia imenso ao ver as crianças brincando no jardim
A grama massageava seus pés e elas eram incapazes de evitar o riso enquanto corriam e se jogavam na relva

Os pais - abraçados na sacada - sorriam satisfeitos. Se lembravam do primeiro filho em sua fase de colo: como dormia profundamente entre os dois, e como isso era tão necessário naqueles dias desgastantes em que estavam aprendendo a se acostumar.
Cansativo, mas recompensador. A paz reinava entre roupas de cama limpa e um banho recém tomado.

Ele a abraçava por trás enquanto olhavam para as crianças rindo como se as folhas fizessem cócegas em seus pés - talvez até fizessem.

O tempo salta novamente e a sacada faz lembrar dos carinhos que ambos faziam na barriga dela - naquela época mágica de quando estava grávida.
Ainda estava linda, ainda estava esbelta - sempre seria assim aos olhos dele.
Carregava um individuozinho que choraria ao ter que sair daquele lugar tão quente e confortável.

Na sala de parto, quando segurou o filho pela primeira vez, pôde sentir no rosto algo que jamais imaginaria: lagrimas de felicidade abençoavam sua pele e lavavam sua alma de tantas outras gotas salgadas que vieram antes dessas.
Ela era só emoção e gratidão: mal conseguia expressar o que sentia em palavras. Tiveram que se contentar com as expressões variadas que o rosto conseguia transmitir.

A palavra "papai" e "mamãe" não assustaria mais entre os almoços de domingo ensolarado. Ele havia preparado tudo, ela limpava tudo, eles comiam tudo. Um time perfeito.

Ele havia inventado a máquina do tempo e a usava toda vez que ficava paralisado, olhando fundo nos olhos dela. Voltaram então à sua própria realidade. Mais jovens, ainda sem registro em cartório.

Os olhares brilhavam e se estremeciam enquanto se enxergavam.
Os cílios de seu amor se mostravam tão grandes e curvos enquanto se movimentavam para cima e para baixo que era impossível não se prender e se enrolar neles.
Mergulhava no lago de luz que adornava suas janelas e se afogava numa verdade que almejava e sabia que estaria por vir.


- Vinicius Neves
Postar um comentário